Pages

Subscribe:

Anuncio

domingo, 31 de julho de 2011

JESUS: A SALVAÇÃO FINAL !



Jesus: A Salvação Final



Nas diversas versões do Evangelho, os autores semearam habilmente o grande segredo cifrado. Refere-se à última etapa da evolução humana, a união. O saber desta máxima e última parte da doutrina oculta se difundiu junto com outros aspectos, mas em nenhuma região chamou mais atenção e sofreu maior alteração que na Índia onde a maravilhosa e última meta da vida é a união com o mais alto Deus.
No seu livro Luz da Ásia, Edward Arnold o diz belamente: E a gota de orvalho resvala no cintilante mar. Aparentemente, o ser humano se mistura com a poderosa consciência chamada Deus - sua identidade se perde porque se torna um com o Senhor.

O segredo não estava todo perdido nos antigos escritos yogues. Eles falam da união do homem comum - os eus básico e médio - numa alma só, comparável ao Eu Superior. Porém, Paulo via o homem comum como inimigo a ser evitado, uma fonte de escuridão e uma pedra de tropeço a ser deixada ao triste destino até atingir a união almejada com a parte maior de si mesmo.

A origem do grande segredo jaz na escuridão do passado longínquo. Com o passar do tempo, a verdade se tornou clara, se bem que cifrada. No primeiro ser, o masculino e o feminino era um só. Adão era tão masculino quanto feminino. No curso da evolução o homem separou-se em dois sexos. No início, foi o ser andrógino da Criação; de parte de si - uma costela - surgiu Eva, tornando-se sua companheira capaz de gerir e criar filhos.

Pouco a pouco, o ser humano aprendeu suas lições -talvez fosse preciso encarnar várias vezes- e Adão, o eu médio, desenvolveu-se junto a Eva, sua outra metade, para um Eu Superior. Fundidos, ganharam mais poder e inteligência, sendo capazes até certo ponto de ver o futuro. Graças ao mana recebido de seu novo eu básico e as orações, tornaram-se capazes de moldar acontecimentos.

Esta parte da doutrina secreta marca o ponto alto da vida e suas experiências. Oferece-nos beleza, contentamento e enorme competência. Promete, por último, liberdade do corpo e de seus limites. Nenhum sonho é tão nostálgico como o do parceiro perfeito. A prova mais difícil da vida é aprender a amar de modo abnegado e incondicional.

De acordo com a doutrina secreta, no início, Jesus estava ocupado demais para pensar numa 'união'. Quis ser o Messias - o amor deveria esperar. Este é o segredo implícito: após sua transfiguração, Jesus estava disposto à boda no céu. Mas a história não teve tal fim. Acaba antes de Jesus atingir o nível do Eu Superior, de unir-se à Grande Sociedade dos Eus Superiores e tornar-se o Consolador prometido. Os primevos textos cristãos contêm a noção cifrada da união do masculino ao feminino para um novo Eu Superior. Os pais da Igreja não incluíram estes antiqüíssimos documentos no cânone. Há mais material na literatura hoje chamada gnóstica.

Uma da melhores fontes de informação é o Evangelho de Tomé. O texto é bem curto e lista só provérbios de Jesus, não dados sobre sua vida e missão. O autor é tido como irmão de Jesus; diz-se que passou as palavras de Jesus a Mateus. O original foi redigido em grego. Os textos da Gnose contêm inúmeros significados ocultos; foram usados nos Mistérios. Nas parábolas e alguns textos gnósticos há passagens quase idênticas sobre o grande mistério: a evolução para um Eu Superior.

Uma passagem no Evangelho de Tomé diz: Um homem indagou o Senhor: Quando virá teu Reino? Ele respondeu: Quando dois forem um e o masculino for como o feminino. Noutra passagem aparece uma mulher de nome Salomé que indaga: Quando a morte será vencida. Jesus diz: Enquanto vocês mulheres parirem. Eu vim para acabar com os trabalhos da mulher. Salome respondeu: Então, eu fiz bem de não procriar. Então, Jesus lhe diz: Coma de toda colheita, mas daquela que trouxer amargura e morte não coma.
E quando estas coisas acontecerão quis saber Salomé. Obteve como resposta: Quando se despir da veste da vergonha e quando dois serão um, nem homem nem mulher.

Um dos primeiros mal-entendidos da doutrina externa aconteceu quando Paulo exigiu a eliminação de Maria do grupo. Bem mais tarde nas cartas a ele atribuídas, Paulo tomou a mesma atitude. A Igreja não pôde acompanhá-lo porque sem mulheres a humanidade se extinguiria. Paulo e outros odiavam o matrimônio e a sexualidade: desconheciam a doutrina interna. Após a última encarnação, o ser humano se desliga de todos os laços terrenos de matrimônio e família e aspira tornar-se um Eu Superior.

Apenas se intui quantas pessoas tornaram-se eremitas porque, erradas, supunham serem salvas. Saber pouco é perigoso adverte um antigo provérbio. Durante séculos, foi grave erro deixar vazar partes da doutrina interna a deturpar a externa. Antes da união, os eus médio e básico e seus corpos de sombra se separam. Durante todas as vidas, incluso nas reencarnações, os corpos de sombra nos quais os eus moram estão unidos. Mas agora são separados como duas peças de roupa. Quando o eu médio está pronto á união, o Eu Superior lhe presenteia uma nova roupa que passa a ser do eu unido, quer dizer, não há uma parte masculina nem uma feminina.

Em certos textos, este manto de sombra chama-se manto de glória, noutros manto de luz - se nele habita o Eu Superior, emite luz branca raras vezes notada pelo homem comum. O manto sem costura é o símbolo do corpo de sombra e do eu masculino e eu feminino unidos num Eu Superior. Na cena da crucificação, o código revela que o homem na cruz não era um Eu Superior; foi lhe tirado o manto. João 19:23-24 diz: Quando os soldados tinham pregado Jesus numa estaca, tomaram suas roupas exteriores e fizeram quatro partes, para cada soldado uma parte, e também o manto. Mas o manto era sem costura, tecida de cima numa peça só. Portanto, disseram um ao outro: Não a rasguemos, mas decidamos por sorte de quem será.

A troca dos corpos de sombra ou das roupas tem a ver com a idéia da transfiguração. O termo para manto, no código, é lole e quer dizer mudar, corrigir. A perfeição final ocorre na exclusão de todos os pecados e no câmbio de um plano para outro. Também muda o corpo de sombra. As raízes lo e le indicam que o eu básico sobe um degrau. Lo designa o cérebro de um homem ou animal; visto que as vísceras, antes, eram a sede do intelecto, trata-se de uma clara referência ao eu básico. A segunda raiz significa pular ou voar para cima, atingir um patamar mais alto. .

A idéia de subir um degrau também aparece no código: em pisar na veste da vergonha. Pisar é hele com a mesma raiz le e também quer dizer seguir ou, aqui, subir um degrau. Vergonha é hila-hila com as raízes hi (enfraquecer, estar fraco) e la (luz). Quando os corpos de sombra estão fracos não têm mais luz, o que no código também significa sem vida. Através das reencarnações, os eus médio e básico cansam e enfraquecem, enquanto o Eu Superior não muda. A veste da vergonha só pode ser o eu básico a ser limpo antes de subir para cima.

O PODER DE PEDIR O QUE VOCÊ QUER !


O PODER DE PEDIR O QUE VOCÊ QUER
Existe um poder dentro de você que está além de qualquer coisa que vocês ainda não imaginado. Você tem a capacidade de manifestar qualquer coisa que você quer com pura alegria e facilidade sem esforço. Não há limites real sobre o que você pode criar em sua vida. Está ilimitada, ilimitado, pura energia potencial. Você pode conscientemente atrair qualquer experiência que você deseja a qualquer momento. No entanto, quando são super específicos sobre o que quer, e pedir de um lugar se rendeu, que é livre da falta, você está a um passo de se tornar um mestre se manifestando.
Um dos principais ingredientes na manifestação consciente é como você pedir o que quiser. Quando você pergunta de forma clara para que empresa que se deseja, é como se você está jogando um bumerangue magnético poderoso para o Universo, que em breve retorno com o resultado desejado. A pedido específico mostra que você é clara e sincera sobre deixar ir de querer / precisar o seu desejo, e se movendo para a sensação de receber o seu resultado no mundo físico.
A energia de lançar o seu apego a qualquer desejo naturalmente inicia o processo de manifestação. É como o momento em que você realmente deixar de ir ao boomerang, sabendo que muito em breve ele vai voltar para você com a manifestação real! Você vê, a energia por trás fazendo pedidos (em vez de desejos, esperanças ou demandas) é muito mais poderoso na medida em que exige que você seja humilde, realista e fundamentada sobre quem você é eo que você honestamente quer em sua vida. Mais profunda honestidade permite que a inteligência Universal que envolve e penetra-lo a realmente ouvir o seu pedido e, assim, ajudá-lo a manifestá-la!
* " Você cria suas oportunidades, pedindo para eles . "~ Shakti Gawain *
Utilizando a sua voz para pedir física do Universo para ajudá-lo a manifestar o seu resultado desejado é uma fantástica maneira de esclarecer sua intenção. Quando você diz alguma coisa em voz alta, seu corpo começa a se alinhar com a vibração enérgica do que quer que sua declaração foi. Por exemplo, se você perguntar o Universo em voz alta para comprar e dirigir seu novo carro na estrada com uma mão no volante e seu cabelo soprando no ar, a sensação de que o pedido afunda profundamente na mente subconsciente Universal, como o seu corpo começa a sentir o que é para expulsar do seu veículo novo. A palavra falada envolve os sentidos, ela ativa a mente completamente e abre todos os centros de energia em seu corpo.
As palavras são muito poderosos e podem fazer a diferença na manifestação que você quer, ou o que você não quer. Cada palavra que você fala tem sua vibração própria e única que se faz sentir dentro de seu corpo no instante em que é dito. Quando você indicar algo em voz alta, você está na essência proclamando quem você é (ou quem você irá tornar-se) para todo o Universo. Você não está mais escondido em seu próprio universo privado dos pensamentos.
Verbalizar seus pensamentos faz você ir além do mundo da separação e criar um compromisso mais profundo para si mesmo. Este nível de compromisso maior se concentra a energia normalmente dispersos da mente, e realmente inicia a manifestação final!
* " As pessoas que pedem com confiança conseguir mais do que aqueles que estão hesitantes e incertos. Quando você descobriu o que você quer pedir, faça-o com coragem, certeza e confiança . "~ Jack Canfield *
Outra parte poderosa de manifestar o que você quer é através de largar o resultado. Se você pedir algo e então você está apegado a ele manifestando, sua energia vai apertar e contrair, o que interrompe o fluxo em direção a você ea manifestação final ocorra. Quando você sente que alguma coisa tem que acontecer para que você seja feliz, você envia energia desesperados e necessitados para o Universo. Esse pânico encerra sua capacidade de receber. Você é um campo vibracional de energia, e quando você está contratado você está fazendo é muito difícil atrair experiências expandida. Assim, cada vez que você pedir algo que você deseja, sugerimos que você conscientemente deixar ir da sua ocorrência, dizendo em voz alta algo como: " Eu peço que o Universo me apoia na manifestação (o que quiser), e eu estou perfeitamente bem com qualquer resultado que ocorre porque posso escolher para encontrar a felicidade com não importa o que! "Este verdadeiro desapego energético do resultado é surpreendente, e uma técnica de fogo para se envolver em manifestação instantânea, enquanto você é fiel a sua palavra.
* " Como queremos que ele e permitir que ele ... ele é. "~ Esther Hicks *
A maioria dos especialistas manifestação vai dizer que fazer um pedido em voz alta é apenas proclamando que você não tem o resultado desejado e são, portanto, apenas manifestando-se mais da mesma experiência faltando. Que o resultado será, sem dúvida ocorrer se você estiver perguntando de um lugar de estar desconectado do Universo. Se você puder encontrar um espaço tranquilo dentro de si mesmo onde sua mente está em silêncio você vai se sentir muito ligado à maior fonte de informação, energia e poder que você pode imaginar. Isso acontece sem o seu esforço, quando você parar de tentar se conectar e relaxar nessa divindade que já está aqui agora.
Transcendendo a mente carentes agarrar você se envolver no Universo para se tornar "um" com você. A partir deste lugar que você pode pedir qualquer coisa, e saber sem uma smidgeon de dúvida que ele vai se manifestar para você. Já existe uma relação tão íntima estabelecida com o Universo em um nível sub-atômicas que uma vez que a mente está em silêncio, que a realização de conexão é imediatamente descoberto.
* " Para entender a natureza mágica da mente é a de adquirir um poder fantástico. É entender que a cada momento de nossas vidas, temos o poder para realizar tudo o que queremos. "~ Deepak Chopra *
Estamos todos com uma variedade grande de experiências diferentes da Realidade Uma mesma. Sua percepção do que é o que o torna "a sua realidade", bem como "os seus problemas, oportunidades" e "percepções". A principal coisa a saber é que este Universo altamente inteligente sabe que o grande plano das coisas, e conhece todas as peças do quebra-cabeças complicado de sua vida. O seu ego / mente tem essa perspectiva limitada, então quando você procura ou empurrar o Universo para manifestar algo para você, você não está abrindo para ver este quadro maior e apenas limitar a sua perspectiva mais. Quando você envia um desejo que é insosso, un enraizadas, ou exagerado, o Universo sabe disso ... você não pode mentir para o Universo. No entanto, ele quer que você veja que este desejo não tem raízes no que você * realmente * quer, e, portanto, não permitirá que esta experiência infundada a se manifestar para você. É um universo muito benevolente em que vivemos, e w doente só livra-nos as experiências que a MAIORIA servir a nossa maior evolução almas.
* " Alimente sua mente com grandes pensamentos, pois você nunca vai subir mais do que você pensa . "~ Benjamin Disraeli *
Quando sua mente está cheia de muitos desejos, pensamentos, necessidades, desejos, é como o Universo não pode ouvir o que você está dizendo, e assim não pode apoiá-lo em trazê-lo em realidade. Portanto, tome um momento agora para entrar muito tranqüila .... E depois pede o universo para uma coisa que você deseja .... E deixá-lo ir. Pense no que você realmente quer se manifestar em sua vida? O que o seu desejo aparência e sensação? Imagine que o Universo é como um gênio que pode lhe conceder qualquer desejo se você é específico o suficiente para formular o seu pedido. Vá em frente e perguntar, e você ficará surpreso com a abundância ea generosidade que receber! Tornam a coisa mais importante de todos. O mais honesto você é e quanto mais específico o seu pedido é para o Universo, o mais rápido e fácil o seu desejo vai aparecer no mundo físico. É hora de parar de prender para trás, e começar realmente a pedir o que quiser. Você pode manifestar um milagre a qualquer momento ... é só pedir!

A TEORIA HOLOGRÁFICA DE JIM FRANCIS


A TEORIA HOLOGRÁFICA DA MENTE DE JIM FRANCIS
Em 1981 o Prêmio Nobel de Medicina foi atribuído ao Dr. Roger Sperry para sua teoria da divisão do cérebro. Basicamente, ele concluiu que o nosso cérebro esquerdo foi o analítico dominante, enquanto o nosso cérebro direito era o dominante intuitivamente. Este lado direito do cérebro é a que 90% da raça humana não se preocupa em utilizar plenamente. (Estou me referindo aqui à pessoa destra média).
Os 10% que usá-lo normalmente são os escritores criativos, artistas, etc Parece operam na faixa do meio da digitalização de freqüência cerebral, em torno de 10 ciclos por segundo. Tarefas analiticamente orientada mostrar o funcionamento do cérebro na faixa beta de 14 a 40 cps.
Acho que todo mundo está familiarizado com o que é um holograma. Parece um negativo fotográfico, mas está coberta de redemoinhos e padrões. No entanto, quando uma luz branca é coerente brilhou para ele uma imagem tridimensional de repente, salta para fora.
Um holograma é produzido a partir de múltiplos pontos de referência e conjuntos de imagens do objeto a ser "fotografado".
Ele contém diferentes pontos de vista e perspectivas desse objeto. Quando acionada por uma fonte de luz todos esses pontos de referência se unem em uma imagem 3D discernível. Quando você corta um holograma ao meio cada metade ainda contém a imagem completa (com uma ligeira perda de definição espacial), ao contrário de um negativo fotográfico. E se você cortar o holograma em pedaços muito pequenos você ainda vai obter uma imagem reconhecível de todo o objeto a partir de qualquer uma das peças pequenas. A clareza depende da qualidade original do holograma.
Um dos principais pesquisadores, Dr. Karl Pribram, da Universidade Stanford, sente-se que o cérebro registra informações provavelmente da mesma maneira holográfica. Ou seja, a informação é armazenada em uma "família" de neurônios do cérebro, e não em qualquer um grupo específico de neurônios. Isso claramente explicar por que o cérebro tem a capacidade de armazenamento, incrível. Ou seja, o cérebro pode muito bem ser o armazenamento de informações "espacialmente" ao invés de no padrão padrões tridimensionais que atualmente entendemos que está trabalhando dentro
Da mesma forma, se as teorias da consciência universal eo campo morfogenético estão corretas (e as indicações são de que eles podem ser, pelo menos, parcialmente correta), então cada cérebro humano individual está agindo como uma pequena parte holográfica de um holograma total.
Ou seja, seu cérebro é parte de um todo! Segue logicamente que seu cérebro tem acesso universal ao cérebro através deste campo morfogenético - se você pode descobrir como bater nele! (* Veja abaixo)
A pesquisa inicial científica sobre o poder da mente foi iniciado há muitos anos na Duke University, liderada pelo Dr. JB Rhine. Ele foi amplamente condenado ao ostracismo pela comunidade científica na época, alguns dos quais ainda acreditavam que a Terra era plana. Mas ele conseguiu provar que alguma forma de percepção extra-sensorial controlável existiu e que algumas pessoas eram mais talentosos do que outros.
Assim, quando uma das mais prestigiadas universidades do mundo - Princeton, nos EUA permitiu que seu departamento de engenharia para configurar uma "anomalias" divisão, a comunidade científica endireitou-se e começou a tomar conhecimento. Os resultados desses experimentos também comprou um novo lote de céticos sair da toca, mas depois de todo este tempo é geralmente aceito que a mente / matéria interação existe.
Dois dos cientistas de Princeton, Dr. Dean Radin e Dr. Roger Nelson revisto e avaliado mais de 800 experimentos conduzidos sob condições estritamente controladas. Seus sujeitos foram testados em um gerador de números aleatórios eletrônica - algo como uma versão computadorizada de uma cabeça / dispositivo caudas moeda flipping. Quando os assuntos previstos para influenciar os resultados de outra maneira aleatória com o poder da mente, eles foram estatisticamente sucesso. Os cientistas concluíram que, sob certas circunstâncias, a consciência interage com os sistemas físicos aleatórios.

terça-feira, 26 de julho de 2011


Sua vida faz sentido?

Sua vida faz sentido?


Enquanto nos deixamos guiar unicamente pelo Ego, nossa vida é insatisfatória, porém, mesmo com isto, existe um ponto "bom" dentro disso: temos a sensação de que nossa vida tem um sentido de ser. Com o domínio do Ego, estamos sempre em busca de algo e acreditamos saber o que estamos buscando; enquanto estamos nessa busca, bem ou mal, acordamos todos os dias e nossa mente já se direciona ao nosso objetivo. Independentemente de estarmos satisfeitos com a busca ou angustiados pela dificuldade em alcançar o que buscamos, o que nos importa, inconscientemente, é termos um motivo para viver.

Acordamos, passamos o dia em nossa rotina e vamos dormir, pensando em nossas possibilidades, frustrações, intenções, erros e estratégias, tudo na tentativa de alcançarmos nosso objeto de desejo. Esta movimentação nesta busca faz com que tenhamos medo, tristeza, esperança, frustração, renovação de esperança, fracasso, vontade de ir em frente, vontade de desistir, enfim, não importa o que acontece dentro de nós, se algo bom ou ruim, o que importa para nosso Ego, é que tenhamos algo com que nos ocupar, algo para pensar, desejar, algo que traga um "sentido" para nossa vida.

Porém, como isto ocorre a partir das determinações do Ego, tornamo-nos incansáveis buscadores, mas nunca alcançamos nossos objetivos. Não na forma real e divina, pois são objetivos "falsos", provenientes do Ego, portanto, o alcance é igualmente falso, o que, conseqüentemente, nunca nos traz as sensações de prazer que esperamos ter. Mas quando o anseio é proveniente da Alma, a busca é equilibrada e a conquista sempre traz satisfação plena.

Mas como não nos ensinaram que devemos buscar os anseios de nossa Alma (pois "eles" também não sabiam), a partir do momento em que nascemos, vamos "nos ajeitando" como podemos, vamos agindo e reagindo ao mundo, tirando conclusões distorcidas, criando estratégias de sobrevivência, criando desejos falsos e vazios, enfim, fazemos tudo a partir das necessidades do Ego, de acordo com aquilo que ele entende sobre as nossas experiências de vida, e de acordo com as escolhas que ele acredita serem adequadas a nós. Porém, chega um momento em nossa vida, em que se saturam todas as nossas capacidades de ficarmos à mercê do Ego, momento em que nosso Espírito precisa se manifestar e se impor para começar a assumir o comando de nossa vida, assim, ele promove circunstâncias de vida "adequadas", na intenção de nos guiar ao seu encontro, sobrepondo-se ao Ego, seja "pelo amor ou pela dor".

Neste ponto, começamos a nos questionar, a querer mais da vida e a buscar mudanças e, consciente ou inconscientemente, somos levados ao caminho do autoconhecimento. Se resistimos a isso, ficamos aprisionados em nossos tormentos e nos perdemos no desequilíbrio. Porém, se aproveitamos esse momento e nos deixamos guiar ao autoconhecimento, com consciência e responsabilidade, descobrimos muito de nossa realidade interna e começamos a perceber que fizemos muitos movimentos em vão, na busca por objetivos ilusórios e que muito nos custaram em dor e sofrimento.

Isto faz com que desejemos abandonar esses ideais e vontades do Ego, isto tudo passa a não ter mais função e a não fazer mais sentido em nossa vida. Enquanto havia o domínio do Ego, sem que nos conscientizássemos disso, tínhamos todas as motivações possíveis para "querermos viver", mas a partir do momento em que descobrimos que esses desejos que perseguimos até hoje, não são nossos reais desejos, deixamos de desejá-los e abrimos mão deles, porém, diante disso, inevitavelmente um vazio se instala.

A sensação é maravilhosa, não há sofrimento, não há desespero, não há movimentos intensos. Só há paz. Mas tanta paz, para quem vivia em luta, acaba sendo algo muito estranho. A luta era horrível, mas tínhamos uma motivação para levantar da cama e prosseguir. Agora, com esse vazio, parece que não temos mais motivação para levantar da cama. E pensamos:meu Deus, minha vida está totalmente sem sentido!

De repente, sentimos que não queremos nada, não há desejo dentro de nós. Pra que acordar? Qual o sentido que existe em levantar para viver a vida de forma tão básica, sem gosto, sem... nada...?

Isto ocorre porque saímos da vibração de vida frenética e alcançamos um patamar acima, onde nossa freqüência vibracional se elevou, ficou um pouco mais sutil e isso fez com que tudo à nossa volta nos pareça vazio e sem sentido. Mas nossa freqüência está pronta para entrar em sintonia com os anseios de nossa alma, porém, nossa mente ainda está ligada ao que ela sempre fez, com as referências do modelo anterior baseado nas necessidades do Ego. Neste momento, tudo fica mesmo muito estranho, pois pela vibração elevada, não conseguimos mais nos identificar com as vontades do Ego, tudo o que sempre desejamos passa a não fazer mais sentido, ao mesmo tempo em que continuamos a querer sentir os mesmos impulsos de antes. Há conflito interno.

Nesse novo momento, não conseguimos saber o que de verdade queremos, ficamos tão presos às referências anteriores de desejos, que não conseguimos despertar para a nova realidade: a nossa vida está sem sentido, porque estamos tentando resgatar o sentido falso que havia antes. E não vamos conseguir resgatar esse sentido e nem devemos tentar, a menos que desejemos regredir.

Então, nossa única saída, no momento da constatação, é aceitarmos que nossa vida ESTÁ SEM SENTIDO. Com esta aceitação, relaxaremos e isto trará uma quietude interior. Dentro disto, conseguiremos atingir um ponto de Deus que há em nós, o que fará com que apenas desejemos encontrar o sentido verdadeiro de nossa vida, aquele que vem de nossa Alma. Quanto mais aceitarmos a sensação de "vida sem sentido", mais relaxaremos e mais seremos conduzidos ao encontro de nossa essência divina.

Ao atingirmos esse lugar, deveremos aguardar tranquilamente, mantendo o desejo de conectarmos os anseios de nossa alma e com o sentido de nossa existência. Aos poucos, começaremos a desejar de novo, mas não aquele desejo intenso e ansioso, mas um desejo tranqüilo, que nos levará a termos vontade de "levantar" para ir em busca da realização desse desejo, mas tudo acontecerá de forma suave, tranqüila. Esta suavidade fará com que logo consigamos conquistar nossos objetivos e nos aquietaremos novamente. Neste lugar calmo e sereno, a Alma fará aflorar os próximos desejos, juntamente com todas as ferramentas necessárias para alcançarmos esses desejos.

E assim prosseguiremos, sem ansiedade, sem buscas intermináveis, mas plenos de vontade e motivações. Porém, estas serão em outro nível, apenas sentiremos a vontade necessária para nos impulsionar e nos motivar a viver com satisfação.

A partir disto, nossa vida passará a fazer sentido, mas este, para ser compreendido, precisará ser vivido... 

O Santo Sudário em três dimensões

O Santo Sudário em três dimensões


Santo Sudario, imagens tridimensionais
Rerpodução do STURP
Em 1977 foi descoberta a tridimensionalidade do Santo Sudário pelo grupo de cientistas do Projeto de Pesquisa do Sudário de Turim (STURP).

Reprodução holográfica
Dois oficiais da Força Aérea norte-americana, John Jackson e Eric Jumper, analisando o Sudário perceberam que a figura foi impressa de maneira tridimensional.

Este fato, inexcogitável para a ciência e as artes do século I, permite conhecer a distância entre o tecido e as diversas partes do corpo de Nosso Senhor, o que não acontece numa fotografia comum.

Partes do Santíssimo Corpo de Nosso Senhor Jesus Cristo que não estiveram em contato com o tecido também se achavam misteriosamente impressas na mortalha. Mas só está técnica permitiu revelá-las

Normalmente os cientistas só conseguem reconstituir uma imagem tridimensional a partir de fotos, quando tiradas de enormes distâncias, como as de planetas longínquos, ou de ângulos diversos.

De tal modo que a distância possa influenciar, de maneira mensurável, a intensidade de luz recebida ou refletida pelos objetos.

Santo Sudario, imagem tridimensional de Giovanni Tamburelli
Reprodução do STURP
Para a reconstituição da tridimensionalidade, os especialistas utilizaram um aparelho chamado VP-8.

Jackson e Jumper tomaram uma simples fotografia do Santo Sudário e a introduziram no aparelho.

Qual não foi o seu espanto ao constatar que se constituiu uma imagem tridimensional da Sagrada Face de Nosso Senhor!

Entretanto, a técnica tridimensional mais avançada aplicada no Santo Sudário é a reprodução holográfica.


Holografia
Ela projeta sobre duas placas de vidro paralelas uma reconstituição do corpo de Nosso Senhor em tamanho natural como estava na sepultura.

A imagem pode ser vista de pé, pela frente e pelas costas. Tem-se a impressão de estar em presença do próprio Corpo Sagrado de Nosso Senhor.

Um exemplo disso foi exibido na extraordinária exposição sobre o Santo Sudário de Turim que sob o título “Homem do Sudário”, realizou-se em Curitiba e em outras cidades brasileiras.


segunda-feira, 25 de julho de 2011

MANTRAS DA AUTO-ESTIMA

MANTRA PSICO-ATIVO DE CONFIANÇA:


" Todos os dias e em todas as áreas de minha vida, estou tendo cada vez mais confiança em mim e, da mesma maneira, todos os dias estou agindo com maior confiança. Dessa maneira, as coisas que me parecem difíceis de fazer são cada vez mais fáceis para mim."

MANTRA PSICO-ATIVO DE AMOR:


" Todos os dias e em todas as áreas de minha vida, estou exprimindo em meu entorno minha capacidade de amar e ser amado em retorno,"


MANTRA PSICO-ATIVO DE PERDÃO:


"Todos os dias e em todas as áreas de minha vida, estou perdoando todos aqueles que puderam prejudicar-me no passado, e estou perdoando a mim mesmo por todas as ações que puderam prejudicar alguém."MANTRAS DA AUTO-ESTIMA 

domingo, 24 de julho de 2011

Tentação e Transfiguração de Jesus

Tentação e Transfiguração de Jesus


Tentação e Transfiguração de Jesus



Tentação e Transfiguração de Jesus

O mistério da crucificação.
O termo para pender é li que tem como raiz odiar, detestar, estar com raiva, invejar; é um sinal que o eu básico fica zangado e o eu médio poluído quando emoções o influenciaao mal que espíritos - quando obtém poder - fazem ao homem. A coroa de espinhos é citada em João 19.1-5; espinho é kaka -laioa = açoitar, alusão ao flagelo (ha-hau) que no código possui um significado oculto de acumular mana. A raiz hau significa neve ou gelo. O mana, cujo símbolo é água, aqui é congelado de modo que não pode ir ao Eu Superior através do fio aka - uma descrição clara da senda bloqueada de Jesus. A raiz (termo para espinho) significa calar-se e confirma que a prece não podia chegar a ter sucesso.

Jesus morreu na cruz entre dois ladrões. O código para ladrão é ai-hue = roubar comida; simboliza os maus espíritos que invadem sua vítima e roubam parte de seu mana. Sua presença indica o bloqueio da senda que sinaliza a catástrofe de Jesus. Um espírito ou ladrão se arrepende de seu ato; isso mostra que às vezes maus espíritos podem - quando convertidos - deixar sua vítima.

O termo para morte é mak, tem um dos seus significados de desejo e outro certo, justo, adequado. Para Jesus, sua morte não foi o fim, senão só uma demora no seu crescimento espiritual: um desejo natural de todo ser humano, tanto faz o nível de desenvolvimento atingido. Jesus foi colocado numa sepultura, how ilina; a raiz how quer dizer preparação para uma nova encarnação após da morte. Ilina também é esticar, estender uma corda ou fio, o símbolo Huna para o cordão de sombra, neste caso para ser usada noutra vida.

A grande pedra tirada da sepultura simboliza as pedras de tropeço que não podiam ser afastadas da cruz, mas, sim, antes de outra encarnação, que Jesus começaria puro. Os maus espíritos deixavam o corpo da vítima e procuravam outro para tirar mana. Ressurreição quer dizer ala hou ana, abrir o caminho de novo. A fim de entender melhor o drama da crucificação e o porquê de Jesus ficar possesso, cabe voltar ao início da paixão. Em João 17. 1-5 contém informações valiosas. Jesus fala a seus discípulos, olha ao o céu e reza:

'Pai, os tempos são chegados, aperfeiçoe seu filho para que ele possa glorificá-lo; pois Vos deu-lhe poder sobre toda humanidade de modo que possam alcançar a vida eterna. A vida eterna é isto: obter conhecimento de Vós, único e verdadeiro Deus, e o messias que Vos enviastes. Eu Vos exaltei sobre a Terra completando o trabalho que Vós me confiastes. Agora, Pai, me restaure a honra que tinha convosco antes da existência do mundo'.

Aqui não só fica claro que Jesus, o homem comum, pede por ajuda na sua hora final, mas também se gabando de suas realizações ante seus discípulos. Esta vaidade também se reflete na prece para os seus discípulos e para todos os crentes. É bastante chocante qualificar a atitude de Jesus de gabar-se. Faz tempo, a doutrina exterior da Igreja insinua que Jesus é Deus - um membro da trindade - e por tanto perfeito desde o início; mas se um sacerdote usa hoje tais palavras, seria logo estigmatizado como zelote por achar-se melhor que os demais. Na boca de Jesus, essas palavras apenas são toleráveis se ele é visto como homem que atingiu a perfeição, um Deus e um membro da trindade.

No drama de seu malogro e de sua crucificação, Jesus dirige-se a um ponto culminante, e, no fim, o céu se abre e Ele está sentado à direita do Pai. No início da história, Jesus era ainda moderado e atribuía todas suas obras ao Pai. Depois se identificou com o servo de Deus de Isaías; pouco antes de seu fim, estava tão convencido de si que ousava enfrentar tanto os líderes religiosos quanto os políticos. Quase no fim, após ser traído, começou a duvidar que o dia do Juízo Final fosse salvá-lo e o alçaria ao céu.

Se o código da traição é bem interpretado por Max Long, o orgulho espiritual predispôs Jesus a sofrer ataques de maus espíritos. Lhe imploram orgulho, que na sua vida também era o pecado deles. No início de sua missão, Jesus ensinou: o Reino de Deus está dentro de vós. Pelo fim da vida enviara os setenta para pregar o Evangelho; prometeu-lhes que o dia do Juízo Final os premiaria amplamente. Prova desta atitude esta em Mr 14.61-62:

'Mas ele ficou calado e não deu nenhuma resposta. O sumo sacerdote começou de novo a interrogá-lo e disse-lhe:´És tu o Cristo, o Filho do Bendito? Jesus disse, então: 'Sou, e vós vereis o Filho do homem sentado à destra de poder e vindo com as nuvens do céu'. Ao iniciar seu ensino, Jesus tinha condenado aqueles judeus que davam esmolas demais e, em orações publicas, louvavam-se de sua honradez. No fim, não tinha mais esmolas a dar, mas seu orgulho e suas preces aos discípulos eram aquilo que antes condenava.

Após cair o telão na última cena do drama, tudo parece estar perdido. O homem que dizia ser um com o Pai estava possesso por maus espíritos que bloqueavam sua senda. Sua fraqueza era presunção, o pecado capital no mais alto nível espiritual. Seu desejo de gozar dos frutos de seu trabalho o abateu. Seu último passo deveria ter sido renunciar a toda idéia de 'meu' e de 'mim', mas não se contentara com isso. Continuava querendo sentar, honrado, à direita do Pai, segundo contam os Evangelhos e o código. Mas, suas expectativas frustraram-se. Passo a passo a tragédia crescia. O céu não se abriu, o Juízo Final não aconteceu. Jesus foi crucificado. E, na cruz, o homem que fez milagres, pediu ajuda ao Pai. Como suas preces na foram ouvidas, padeceu de uma morte dolorosa.

O que significa tudo isso? Com certeza: Jesus - um homem com os três eus (básico, médio e Superior) não foi obrigado pelo mais alto Deus a sacrificar sua vida como um resgate para a Humanidade. O 'Filho' é apenas o homem menor e tem evidentemente o dever de enviar mana ao Eu Superior. O código não deixa espaço à outra interpretação.

Isso permite rever com atraso um dos piores e mais flagrantes erros do Cristianismo.
O raivoso e sanguinário Jeová do judaísmo antigo é deixado de lado para a volta do Pai amoroso que evidentemente não é o Deus superior, senão sempre o Pai, o Eu Superior cujo amor nunca vacila.

Iniciados e todos os conhecedores do código horrorizam-se com a idéia de a cruz ser só um símbolo da salvação como ensina a Igreja. É simplesmente cruel adorar o emblema de um ser humano sofredor e moribundo. Este costume se torna ainda mais repugnante ao compreender que o drama não termina com a crucificação - fez apenas uma pausa.

Talvez algum dia a cruz desaparecerá e será substituída; em seu lugar será reverenciado um símbolo do Eu Superior. Poderia ser um sol como no antigo Egito, ou também uma vela singela num altar despretensioso.

Flores de inverno !

Flores de inverno...

Flores de inverno...



Nesta semana, olhando as flores do meu jardim, fiquei pensando que não esperamos ver flores tão lindas como aquelas no inverno... Mesmo o Brasil sendo um país tropical, aqui no sudeste temos baixas temperaturas, usamos blusas de frio e naturalmente nos recolhemos, enquanto que uma flor que desabrocha faz justamente o movimento contrário. Ela se abre, mostra-se para a vida, exala perfume.

Como costumo olhar o mundo à minha volta para observar as lições espirituais que ali estão ofertadas, fiquei pensando na vida das pessoas, no tempo que passa, nas oportunidades que se finalizam, nas chances que às vezes deixamos escapar, nas histórias que deixamos de viver, no inverno da vida humana. Meu pensamento foi longe refletindo sobre o tempo frio e as floradas inesperadas.

Lembrei de amigos que não se casaram, que não tiveram filhos, de gente que reclama até hoje com mais de 40 anos, da infância que tiveram. Lembrei das pessoas que acham que suas oportunidades acabaram, e que aceitam a velhice como um fim.

Já que a mente define muito de nossas chances na vida, uma nuvem de tristeza passou por mim quando lembrei de tantos limites que as pessoas assumem para si mesmas. Agindo assim, elas permitem que o inverno da existência chegue até elas e se instale. Colocam portas fechadas para muitas coisas, como se o tempo passado não oferecesse perdão. Esse raciocínio comandado pela idade faz que muita gente pense que o tempo de alegrias e desafios já passou. Mas será que devemos definir um limite assim cruel para nós mesmos?

Por que não se permitir flores de inverno em nossas vidas?

Onde há vida, há esperança. Ou seria melhor dizer que onde há esperança, há vida?

O fato é que muita gente desanimada com os desafios, triste por conta das coisas que não deram certo, ou ainda presas às memórias de um passado feliz, deixam de viver as oportunidades do momento atual.

Acho muito especial se casar aos 50 anos, cursar uma faculdade com mais de 40, aprender a dançar depois de aposentado, ou simplesmente ser feliz cuidando dos netos e rejuvenescendo acompanhando os avanços do mundo tecnológico.

É bonito ver o mundo mudar, quando mudamos junto. E é muito triste por algum motivo ficar fora do jogo, ainda mais quando nos colocamos nessa posição porque não aceitamos ou não entendemos as regras. Ou simplesmente porque determinamos que as nossas oportunidades já passaram.

Conheço gente que tem muito medo de viver, medo de arriscar, de dar errado, de amar, e com isso inibe as chances do destino. Se arrisca pouco com medo de sofrer, de se decepcionar e, por conta dessa escolha, acaba amando pouco e recebendo pouco amor.

Pessoas assim, contaminadas pelo sofrimento, deixam de aprender que os adubos que recebemos ao longo da vida fazem parte do fortalecimento de nossa estrutura. Esquecem que as lágrimas lubrificam os olhos e que chorar de vez em quando alivia as dores do coração incompreendido e, principalmente, esquecem que sofrer faz parte. E que está tudo bem conviver com expectativas frustradas. Podemos sobreviver aos nãos que recebemos, mas não podemos superar os limites que colocamos como definitivos, porque a força da superação e as flores vêm de dentro. 

sábado, 23 de julho de 2011

O SANTO SUDÁRIO !

Santo Sudário: a imagem completa de um homem cruelmente crucificado (1)


Dra. Emanuela Marinelli
Com a segurança de quem conhece em detalhes toda a história do Santo Sudário, bem como as provas de sua autenticidade obtidas em rigorosas análises científicas, a Dra. Emanuela Marinelli responde às questões levantadas pelo Sr. Julio Loredo, correspondente de Catolicismo na Itália.

E a conclusão inescapável é que a imagem impressa na sagrada relíquia ‒ que se encontra em Turim, para veneração dos fiéis do mundo inteiro ‒ corresponde à imagem completa de um homem crucificado, estritamente de acordo com as narrativas dos Evangelhos sobre a Paixão e Morte de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Emanuela Marinelli é graduada em ciências naturais e geológicas, com habilitação para lecionar Matemática, Ciências Naturais, Química e Geografia. Trabalhou como contratada pelo Instituto de Estudo de Mineralogia da Universidade de Roma em 1974 e 1975.

Leciona desde 1976 em escolas públicas, e a partir de 1981 ensina Geografia física, política, econômica e turística no Instituto Profissional para Serviços Comerciais e Turísticos Júlio Verne, de Roma. Também lecionou iconografia, iconologia e simbologia cristã na Universidade Assunção, de Orvieto.

Entre 1977 e 1985, tornou-se membro do Centro Romano de Sindonologia. Nesse centro, freqüentou o curso bienal de estudos do Sudário sobre a Paixão de Cristo, tornando-se depois professora dos referidos cursos. Após ter participado de um subseqüente curso bienal de catequese ministrado pelo Vicariato de Roma, este lhe outorgou em 1987 o diploma de catequista especializada em Catequese da Paixão.
Como professora, participou em 1987 do primeiro curso de Sindonologia, realizado em Roma pelo Santuário de Nossa Senhora do Divino Amor.

Entre 1988 e 1992, promoveu cursos de aperfeiçoamento para professores de Religião da diocese de Roma, sobre os tópicos relativos ao Sudário, tendo feito o mesmo em outras dioceses da Itália. A partir de 1977, profere conferências em diversas regiões da Itália e no exterior, escreve artigos em jornais e revistas, e participa de programas de rádio e televisão.

Veja vídeo
Santo Sudário: história
e "descoberta" fotográfica
Participou dos congressos sobre o Sudário realizados em Turim (1978), Bolonha (1981), Trani (1984), Siracusa (1987), Paris (1989), Cagliari (1990), Roma (1993), Nice (1997), Turim (1998), Richmond (1999), Rio de Janeiro (1999), Orvieto (2000), Dallas (2001), Paris (2002), Rio de Janeiro (2002) e Dallas (2005).

Em 1990, em colaboração com Orazio Petrosillo, escreveu para a Editora Rizzoli o livro La Sindone - Un enigma alla prova della scienza, traduzido para o inglês, francês, espanhol e polonês. Em 1996, para a Editora S. Paolo, o livro La Sindone, un immagine “impossibile”, traduzido para o português e o polonês.

Em 1997, para a Editora S. Paolo e em colaboração com Maurizio Marinelli, elaborou os textos para o CD-Rom Sindone viva, além de trabalhar para a sua realização. Escreveu em 1998 para a Editora Rizzoli, em colaboração com Orazio Petrosillo, o livro La Sindone - Storia di un enigma, edição atualizada daquela publicada em 1990; e para a Editora S. Paolo, em colaboração com Maurizio Marinelli, o livro Cosa vuoi sapere sulla Sindone?.

Em colaboração com Giulio Fanti, escreveu em 1999 o livro Cento prove sulla Sindone - Un giudizio probabilistico sull'autenticità. Em 2002, redigiu para a Editora Delta 3, em colaboração com Maurizio Marinelli, a obra La Sindone - Un incontro con il misterio. E em 2003, para a Editora Progetto Editoriale e em colaboração com Giulio Fanti, o livro La Sindone rinnovata - Misteri e certezze.

Ela figura entre os promotores do movimento Collegamento pro Sindone e da revista bimestral homônima, agora na internet, iniciativas para as quais trabalhou ativamente desde o início.

* * *
Abgar, rei de Edessa, recebe cópia do Santo Sudário na época de Cristo
Catolicismo — O Santo Sudário é considerado a relíquia mais importante e a mais rica prova documental dos sofrimentos da Paixão e Morte de Nosso Senhor Jesus Cristo, e até de sua Ressurreição. Foi possível reconstituir seu itinerário do sepulcro de Jesus até Turim?

Profa. Marinelli — No século II, existia em Edessa (atual Urfa, na Turquia) uma imagem especial da face de Jesus em tecido. Na Doutrina de Addaï, provavelmente do Apóstolo Judas Tadeu (uma composição siríaca que remonta ao fim do século IV), lê-se que Abgar V Ukama (o Negro), rei de Edessa na época de Cristo, estava doente.

Abgar enviou então seu arquivista e pintor Hannan a Edessa, o qual voltou dessa cidade com uma cópia da imagem de Cristo, pintada por ele, com uma carta que continha uma promessa de Jesus assegurando a incolumidade da cidade (foto ao lado).

No século VI, foi descoberta essa imagem da face de Jesus em tecido (acheropita, ou seja, que não foi feita por mãos humanas), dita Mandylion (lenço).

Em 944, após intenso assédio, os bizantinos arrebataram o Mandylion da autoridade islâmica do sultanato árabe de Edessa, e no dia 15 de agosto a relíquia chegou a Constantinopla.

Numerosas testemunhas e descrições relacionam o Mandylion com o Sudário, e com toda probabilidade ele era o próprio Sudário dobrado de outra maneira, permitindo que se visse somente a face.

Em 1204, Roberto de Clary, cronista da IV Cruzada, em sua obra A conquista de Constantinopla, registra que logo após a queda de Constantinopla em mãos dos cruzados ocidentais (14 de abril de 1204), um Sudário era exposto toda sexta-feira na igreja de Santa Maria de Blachernae; e que sobre aquela tela a figura de Cristo era claramente visível.

Santo Sudário e Cristo Pantocrator do mosteiro de Santa Catarina no Sinai, século V
E acrescenta: “Mas ninguém sabe o que terá acontecido com o Lençol depois de conquistada a cidade”.

Em 1205, Teodoro Angelo-Comneno, irmão de Miguel I, déspota de Epiro e sobrinho de Isaac II, imperador de Bizâncio quando do assédio da cidade pela Cruzada latina, afirma que o Sudário se encontrou em Atenas.

Em 1208, Pons de la Roche doou ao arcebispo de Besançon, D. Amadeus de Tramelay, o Sudário que seu filho Othon de la Roche, duque latino de Atenas, lhe havia enviado de Constantinopla.

Em 1314, os Templários (ordem de cavalaria de cruzados) foram condenados como hereges, sob a acusação de praticar um culto secreto a uma face que parece ter sido reproduzida do Sudário. Um deles chamava-se Geoffroy de Charny.

Em 1356, Geoffroy de Charny, cavaleiro cruzado homônimo do precedente, arrebatou o Sudário dos cônegos de Lirey, localidade próxima de Troyes, na França. A preciosa tela permaneceu em sua posse pelo menos três anos. Sua esposa, Jeanne de Vergy, é bisneta de Othon de la Roche.

Passou pela mão dos templários
Em 1453, Margarida de Charny, descendente de Geoffroy, cedeu-o a Ana de Lusignano, mulher do duque Ludovico de Sabóia, que passou a custodiá-lo em Chambéry.

Em 1532, a urna de madeira revestida de prata, que guardava o Sudário na Santa Capela do castelo dos Sabóia, teve um dos lados arrebentado, sofrendo a relíquia danos notáveis.

Em 1578, o rei Emanuele Filiberto transferiu o Sudário para Turim a fim de abreviar a viagem de São Carlos Borromeu, que desejava venerá-lo para cumprir um voto. Este é o itinerário conhecido do Santo Sudário.

Catolicismo — Quais são as características do tecido do Sudário?

Ampliação do tecido
Profa. Marinelli — É um grande lençol de linho marcado pelo tempo. A manufatura rudimentar do tecido, a torção dos fios em Z (em sentido horário), a textura em diagonal 3 por 1, a presença de traços de algodão egípcio antiqüíssimo, a ausência de traços de fibra animal ‒ tudo isso torna verossímil a origem do tecido na área sírio-palestina do primeiro século.

Outros indícios importantes de autenticidade: grande abundância de pólen de origem médio-oriental, de aloé e mirra; presença de um tipo de carbonato de cálcio (aragonite) similar ao encontrado nas grutas de Jerusalém; uma costura lateral idêntica à existente nos tecidos hebraicos do séc. I provenientes de Masada, um local vizinho do Mar Morto.

Franco Testore, professor de tecnologia têxtil do Politécnico de Turim, sublinha que esse tipo de textura já era bem conhecido no Egito em 3400 a.C. E
Uma das flores identificadas: variedade de crisântemo

Pietro Savio, arquivista do arquivo secreto do Vaticano, publicou em 1973 as fotografias das guarnições em espinha de peixe das duas cruzes funerárias encontradas na necrópole de Antinoe (Alto Egito, início do século II).

Mechthild Flury-Lemberg, especialista em tecidos, nota que nos tecidos judaicos descobertos em Masada (atualmente no Estado de Israel) é documentada, no período compreendido entre 40 a.C. e a queda de Masada em 74 d.C, uma especial tipologia da borda igual àquela presente no Sudário.

Além disso, a costura longitudinal que une o tecido do Sudário à linha lateral assemelha-se a fragmentos de tecido das citadas descobertas de Masada.
Religião é diferente de Espiritualidade? 
Religião é diferente de Espiritualidade?



"O rótulo religioso não passa de uma experiência transitória em determinada época do curso ascensional do espírito eterno".
Ramatis


As religiões praticaram atrocidades no mundo todo, sempre em nome de Deus e da fé.
Na inquisição, filósofos e cientistas como Giordano Bruno, Copérnico e Galileu Galilei, que se opuseram à visão geocêntrica, foram perseguidos pela Igreja Católica a qual, em defesa de seus dogmas, acusou-os de heresia ou bruxaria junto de inúmeras outras pessoas, muitas das quais foram queimadas na fogueira.
Por questões religiosas, nas guerras santas, travaram-se violentas e sangrentas batalhas, onde também inúmeras vidas foram ceifadas. Atualmente, os conflitos entre judeus, cristãos e muçulmanos, no Oriente Médio, ameaçam a Paz Mundial. Com freqüência, vemos nos noticiários explosões de bombas em igrejas, mesquitas e sinagogas.
Ainda no campo religioso, vemos também o crescimento das Igrejas Evangélicas, cada uma interpretando a Bíblia do seu modo, e a crescente mercantilização da fé.

Apesar dos grandes avatares como Sidarta Gautama (Buda), Jesus, Krishna, Maomé e Moisés, entre outros, terem trazido grandes avanços à humanidade, muitos de seus seguidores acabaram deturpando a proposta original desses mestres.
No movimento espírita, no entanto, apesar do imenso respeito e de reconhecer e me identificar com as obras de Kardec, de acordo com a minha experiência no consultório com as manifestações espirituais de meus pacientes (conduzi até hoje mais de 9000 sessões de regressão), sou obrigado a discordar em parte da sua metodologia no tratamento da desobsessão espiritual.

Nos centros espíritas kardecistas, é comum os médiuns da casa não deixarem o obsidiado saber quem é o seu obsessor espiritual e o que fez com ele, ou seja, qual o prejuízo que lhe causou na vida passada. A alegação para isso é que se o obsidiado souber o que fez ao ser espiritual obsessor, irá gerar uma animosidade entre as partes envolvidas, podendo aumentar o ódio do obsessor espiritual, bem como a culpa e o remorso do obsidiado.
Em tese, essa alegação parece ter fundamento, mas, em minha prática clínica, ocorre justamente o contrário, pois quando o paciente entra em contato com o seu obsessor espiritual, conversa com ele, e fica sabendo do mal que lhe causou numa vida passada, isso facilita -e muito- o processo de reconciliação entre ambos.

Ao lhe entregar a oração do perdão -agora consciente do que lhe fez-, o paciente tende a orar com mais empenho para o seu obsessor espiritual. Sem dúvida alguma, a oração do perdão realizada de coração, com sinceridade, facilita muito a reconciliação, fazendo com que o obsessor espiritual aceite ser levado para a luz de maneira melhor. Entretanto, há casos em que o mentor espiritual não revela o que o paciente fez ao seu obsessor espiritual, pois sabe que isso não lhe será benéfico (nessa terapia, é sempre o mentor espiritual do paciente que decide se irá ou não revelar o que fez ao seu desafeto do passado, seu obsessor espiritual).
Fora isso, há ainda muitos espíritas que transformaram as obras de Kardec em uma ortodoxia dogmática, inquestionável, não aceitando outras metodologias ou ensinamentos, como por exemplo, aquelas dos grandes mestres ascensionados da Fraternidade Branca.

É importante lembrar que a Doutrina Kardecista é evolucionista e seus fundamentos também podem ser encontrados em outras religiões, em outras obras, como o Bhagava Gita, o Alcorão e outras obras orientais.
Kardec em nenhum momento orientou para que os espíritas estudassem somente aquilo que está escrito em suas obras; pelo contrário, ele deixou claro que novas matérias viriam complementar o que escreveu.
Todos os grandes mestres pregaram o desprendimento, mas o que os seus seguidores fazem é cultivar o apego, a posse do que eles falaram. Daí surgem as guerras, as ofensas, as discussões infindáveis entre diferentes religiões e doutrinas.

Todos os caminhos levam a Deus, mas muitos acham que o seu caminho é melhor do que o dos outros. No meu entender, religião e espiritualidade são coisas distintas, a começar pelas inúmeras religiões, crenças e seitas espalhadas pelo mundo, enquanto a espiritualidade é apenas uma, e para entrar em contato com a realidade espiritual, não é necessariamente obrigatório frequentar alguma religião.
As religiões são criações dos humanos, são instituições com um conjunto de regras dogmáticas; muitas falam do pecado e da culpa, ameaçam, atemorizam, não indagam, não questionam, causam divisões, disputas, alimentam o ego, enquanto a espiritualidade convida o ser humano a prestar atenção à sua voz interior (intuição), a racionar, a questionar, a ver a vida de forma relativista e não absolutista, aquela visão dicotômica do certo e errado, como comumente muitas religiões fazem. Além de todos esses benefícios, a espiritualidade traz também paz interior, é divina, sem regras, promove união, fortalece a confiança e a fé, transcende o ego e nos convida a expandir a consciência.

Por todas essas distinções, quero esclarecer ao leitor, que a TRE, é uma terapia independente, desvinculada de qualquer religião, doutrina, seita ou grupo espiritualista. Ressalto, portanto, que a TRE não é uma terapia espírita ou religiosa como muitos ainda pensam. Nesta terapia, quando o paciente conversa com o seu mentor espiritual e recebe suas sábias orientações, acerca da causa de seus problemas e sua resolução, está entrando em contato com a espiritualidade, com a realidade espiritual.
Condicionamentos 
Condicionamentos



Desde o início de nossas vidas, vamos sendo moldados pelas experiências que vivenciamos. A mente e o corpo físico se tornam repletos de condicionamentos gerados pelos conceitos e valores que nos foram impostos e pelas experiências emocionais que ficaram registradas em nossas células.

Como, então, libertar-se desta prisão, e encontrar a cura para a angústia e o sofrimento que nos afligem? O nosso primeiro passo, geralmente, é buscar ajuda em algum processo terapêutico, onde, através da análise racional dos acontecimentos de nossa vida, procuramos descobrir as raízes dessas dificuldades.

E certamente conseguimos identificar a maioria delas através deste processo. Seguimos, então, outros caminhos, através de terapias corporais, que nos auxiliem na liberação dos nós emocionais registrados em nosso corpo físico.

Este é um trabalho longo, que pode durar anos e, ao final, vamos descobrir que apesar dele, seguimos ainda sem conseguir alcançar o estado de paz e serenidade com que sonhamos.

Ao chegar a este estágio, certamente, muitos de nós já entenderam que é necessário ir além, ultrapassar a dimensão da mente, do corpo e das emoções. E, ao fazer isto, chegamos à descoberta, surpreendente, de que a solução estava ali dentro, oculta sobre as camadas de condicionamentos que carregávamos. Começamos a explorar um novo terreno, até então desconhecido, que é o da consciência.

Quando passamos a observar nossos pensamentos e nossas emoções, percebemos que é possível obter um distanciamos deles, como se não nos pertencessem.

Conseguir realizar esta mudança, do papel de sofredor para o de observador, é que fará toda a diferença. A partir daí, nenhum esforço é necessário, mas apenas relaxar e deixar que nossa essência se expresse, levando-nos para uma dimensão em que o relaxamento e a paz serão nossa única realidade.

"...duas diferentes abordagens com relação à realidade interior do homem.

A abordagem Ocidental é de pensar sobre o problema, encontrar as causas do problema, penetrar na história do problema, no passado do problema, para desenraizar o problema desde o princípio, para descondicionar a mente, ou para recondicionar a mente. Para recondicionar o corpo, para retirar todas aquelas impressões que foram deixadas no cérebro. Essa é a abordagem Ocidental...

...O Oriente tem uma perspectiva totalmente diferente. Primeiro, diz que nenhum problema é sério. No momento em que você diz que nenhum problema é sério, o problema está quase noventa e nove por cento morto. Toda a visão disso se altera. A segunda coisa que o Oriente diz é: o problema existe porque você está identificado com ele. Isso não tem nada a ver com o passado, nada a ver com sua história. Você está identificado com ele; essa é a coisa real. E essa é a chave para resolver todos os problemas.

Por exemplo, você é uma pessoa raivosa. Se você for para o psicanalista, ele dirá, "Penetre no passado: como surgiu essa raiva? Em quais situações isso ficou cada vez mais condicionado e impresso em sua mente? Teremos que lavar todas essas impressões; teremos que varrê-las. Teremos de limpar completamente seu passado".

Se você for para um místico Oriental, ele irá dizer, "Você pensa que você é a raiva, você se sente identificado com a raiva. Eis onde as coisas estão dando erradas. Na próxima vez que a raiva acontecer, seja somente um observador, seja apenas uma testemunha. Não fique identificado com a raiva. Não diga, 'Estou com raiva'. Não diga, 'Estou raivoso'. Apenas veja isso acontecendo como se estivesse acontecendo numa tela de TV. Olhe para si mesmo como se você estivesse olhando para outra pessoa.

Você é pura consciência. Quando a nuvem de raiva chega ao seu redor você apenas a observa e permanece alerta para não ficar identificado. A coisa toda é como não ficar identificado com o problema. Uma vez aprendido isso... e desse modo não existe mais a questão de 'tantos problemas' porque a chave, a mesma chave abrirá todos as fechaduras. É assim com a raiva, é assim com a avidez, é assim com o sexo: é assim com tudo mais que a mente for capaz de criar...
...Essa é a beleza da conscientização: a consciência pode se livrar de qualquer coisa. Não há nenhuma barreira para isso, nenhum limite para isso...

Toda a metodologia Oriental pode ser reduzida a uma palavra: testemunhar. Toda a metodologia Ocidental pode ser reduzida a uma palavra: analisar. Analisando, você fica circulando. Testemunhando, você simplesmente sai fora do círculo.

A abordagem Oriental é para tornar-se ciente do céu. A abordagem Ocidental lhe torna mais e mais alerta das nuvens, e lhe ajuda um pouco, mas não lhe torna cônscio de seu âmago. A circunferência, sim; você se torna um pouco mais cônscio da circunferência, mas não cônscio do centro. E a circunferência é um ciclone. Você terá que descobrir o centro do ciclone. E isso só acontece através do testemunhar...
...É assim que um Buda funciona... um Buda também usa a memória, mas ele não está identificado com ela. Ele utiliza a memória como um mecanismo.

...E quanto a todas as impressões deixadas no cérebro, na musculatura do corpo?"

Elas estarão lá, mas como uma semente: potencialmente presente. Se você se sentir muito só e desejar problemas, você pode tê-los. Se você se sentir muito miserável sem miséria, você pode tê-los. Eles irão sempre permanecer disponíveis, mas não precisa tê-los, não há nenhuma necessidade de tê-los. Isso será sua escolha". 

sábado, 9 de julho de 2011

iPad, ferramenta de salão de beleza

iPad, ferramenta de salão de beleza


Virginia Myers, vendedora de softwares, estava numa rotina de penteado: por um tempo longo demais, ela vinha usando uma foto de revista da atriz Lisa Rinna como inspiração. Sua cabeleireira, Mika Rummo, do Salon AKS, na Quinta Avenida, conhecia o procedimento.

“Ela tem feito isso, ou uma versão disso, por anos”, disse Rummo sobre sua cliente numa recente visita.

Myers desabou na cadeira do salão e puxou (mais uma vez) a amarrotada fotografia. Ela acrescentou mais alguns recortes de revista, com destemidos cabelos curtos, e mostrou para Rummo até mesmo sua carteira de habilitação – cuja foto, segundo ela, mostrava dias melhores (de cabelo). Pilhas de fotos de revistas e jornais foram espalhadas no balcão de Rummo. Uma cena comum num salão de beleza, mas talvez não por muito mais tempo.

Ignorando a papelada, Rummo pegou um iPad estacionado ao lado do secador. Em menos de 30 segundos, após abrir uma pasta intitulada 'cabelo curto’ em sua biblioteca pessoal de fotos recentemente baixadas, dúzias de celebridades apareceram, incluindo fotos de Annette Bening e Michelle Williams.

Rummo, familiarizada com a textura do cabelo de Myers, optou pelo penteado de Ellen DeGeneres. Após uma conversa em que Myers expressou preocupação em cortar demais atrás, e Rummo a advertiu contra um provável 'mullet’ caso ela não o fizesse, Myers ergueu o iPad, examinou seu reflexo e a imagem digital de DeGeneres, e bravamente declarou: “Vamos nessa”.

Os donos do Salon AKS, que em janeiro começaram a usar iPads em vez dos tradicionais álbuns de fotos rasgadas, não se arrependeram de sua decisão.

“Eles definitivamente aprimoram a experiência do cliente”, afirmou Alain Pinon, um dos proprietários. “As clientes às vezes ficam com medo de se expressar com palavras, mesmo quando têm uma foto dobrada na carteira. Com o iPad, elas se sentem muito mais confortáveis e seguras para discutir diferentes visuais”.